Mãe de santo Juliana e o marido estão entre os investigados pelo golpe. Fonte: (Divulgação)

O SIG (Setor de Investigações Gerais), da Polícia Civil, ainda não divulgou detalhes da apuração, mas segundo a reportagem do Campo Grande News, os policiais já identificaram por parte da funcionária padrão de vida incompatível com o salário oficial.

Há duas semanas, a mulher de 34 anos procurou a polícia e denunciou ter sido vítima de extorsão por parte de duas mães de santo, de São Paulo.

Entretanto, assim que passaram a investigar o caso, os policiais perceberam que a coordenadora financeira da empresa mantinha padrão de vida incompatível com o salário mensal, de R$ 4.500, em média. Ela trabalha na empresa há pelo menos dez anos e ocupava função de confiança dos patrões.

Segundo informações do site Campo Grande News, a investigação está concluindo que ela desviava dinheiro da empresa há algum tempo e procurou as mães de santo para manter a história escondida através de “cadeados”, que seriam instalados pelas gurus espirituais, ou seja de vítima a suspeita, a coordenadora financeira pediu ajuda a mães de santo para não ser descoberta pelos patrões.