Fechamento de salas de aulas não foram comunicados segundo Simted

-

Em nota divulgada nesta sexta-feira (11), o Simted publicou que o orgão, juntamente com a categoria de professores e diretores, assim como os estudantes e as famílias não foram comunicadas sobre o fechamento  de 4 turmas de 6º ano, 4 salas de 7º ano e 2 turmas de 8º ano da Escola Municipal Neil Fioravanti – CAIC, prejudicando cerca de 400 famílias.

O SIMTED Dourados vem a público repudiar novamente mais uma medida da Prefeitura de Dourados (MS) que precariza o ensino público da Rede Municipal. Mesmo em final de gestão, a Secretaria Municipal de Educação pretende fechar 4 turmas de 6º ano, 4 salas de 7º ano e 2 turmas de 8º ano da Escola Municipal Neil Fioravanti – CAIC, prejudicando cerca de 400 famílias.

A decisão antidemocrática foi informada por meio de uma comunicação interna do último dia 4 de dezembro, e divulgada somente hoje (11/12). A Semed não debateu o tema com a comunidade escolar, o que irá prejudicar turmas importantes e estratégicas para professores, estudantes, pais, mães e familiares que residem na região do Parque Nova Dourados e imediações.

O fechamento de salas leva os alunos a procurarem vagas na Rede Estadual e se matricularem em escolas distantes do local onde residem, mesmo que a Constituição Federal, a LDB e os Planos de Educação estabeleçam que município e estado devem atuar em regime de colaboração na responsabilidade em ofertar turmas do ensino fundamental.

Além disso, vários docentes serão obrigados a passarem por desgastes de lotações em outras unidades de ensino. Isso depois de passarem por processo de lotação e remoção realizados pela própria secretaria municipal de educação. O fechamento de salas e turmas foi algo recorrente na atual gestão, o que vem prejudicando o ensino público municipal de Dourados.

O SIMTED Dourados é terminantemente contrário ao fechamento de salas de aula ou escolas, seja da Rede Estadual ou da Rede Municipal, independentemente de qualquer justificativa das administrações públicas. O sindicato vai solicitar que a decisão seja revista, que haja debate sobre o tema e que a comunidade escolar seja previamente ouvida a fim de evitar danos futuros aos alunos, pais, mães, familiares e trabalhadores em educação

VEJA TAMBEM