A filha do ex-vice-presidente do Paraguai mostra o saco onde as exigências foram encontradas.(Foto: Divulgação)

O Exército do Povo Paraguaio que sequestrou nesta semana o ex-vice-presidente daquele país Óscar Denis e o funcionário dele Adelio Mendoza, fez ontem o primeiro contato com a família do político e produtor rural e em um comunicado expôs as exigências para a libertação dos dois. Entre elas a distribuição de mantimentos para comunidades carentes de 40 comunidades pobres do interior no valor de cerca de dois milhões de dólares e a libertação de Carmen Villalba e Alcides Oviedo Brítez que estão presos e que fazem parte do comando do EPP.

De acordo com a família de Óscar, as exigências são de que as ordens sejam cumpridas o mais rápido possível ou ele será fuzilado dentro de oito dias.  Ainda como parte das exigências do EPP, os alimentos devem estar em sacolas com a frase “cortesia do EPP” e o logotipo do grupo impressos nelas e que a imprensa cubra o momento da distribuição de alimentos para as famílias beneficiadas e se aluma comunidade não aceitar a doação que os alimentos sejam doados para outras localidades.  Em relação a libertação de Villalba e Oviedo isso deve ocorrer neste final de semana até a noite de domingo (13).

Os guerrilheiros também enviaram um cartão de memória com dois vídeos com instruções para a libertação dos reféns e a relação das localidades que devem ser beneficiadas com as doações. Um dos vídeos mostra a declaração do EPP que deveria ser publicada até a noite de ontem, o que acabou não ocorrendo.

os membros da guerrilha pedem que os militares deixem a região para que o politico receba medicamentos e que Adelio Mendoza que é indígena será libertado assim que possível.

Ontem chegaram ao Paraguai especialistas em negociação neste tipo de situação, que vieram da Colômbia e devem ajudar na tentativa da libertação dos reféns.