O novo coronavírus segue avançando em Mato Grosso do Sul de forma acelerada e além do aumento disparado de novos casos confirmados, a taxa de letalidade também subiu para 1,6% no fim de semana.

No boletim epidemiológico desta segunda-feira (3) a Secretaria de Estado de Saúde (SES) anunciou 642 testes positivos para a Covid e 17 óbitos nas últimas 24 horas. Só nos três primeiros dias de agosto, 21 vidas já foram perdidas em decorrência da doença, indicando que o cenário tem se agravado no Estado.

Do total de óbitos registrados no boletim desta segunda-feira, nove são de Campo Grande, quatro de Corumbá, um de Dourados, um de Amambai, um de Nova Andradina e um de São Gabriel do Oeste.

“A média móvel de Mato Grosso do Sul nos causa preocupação e angústia. Estamos figurando no cenário nacional como um dos estados onde mais cresce a taxa de letalidade. Precisamos reverter essa situação. Espero que os prefeitos e prefeitas possam usar o Programa Prosseguir para tomar as medidas”, pontuou o secretário de Saúde, Geraldo Resende.

Ao mesmo tempo que há alta de casos também sobe a taxa de ocupação global de leitos UTI SUS por macrorregiões. Campo Grande está com 90%, Dourados 57%, Três Lagoas 22% e Corumbá 72%. A gestão estadual vem atuando para aumentar o número de leitos disponíveis e a testagem no Estado.

No auge da Covid em MS, taxas de isolamento social não ultrapassam barreira dos 50%

A movimentação de pessoas se manteve alta ao longo do fim de semana em Mato Grosso do Sul. Com isso, as taxas de isolamento social mapeadas mantiveram baixos índices de adesão, novamente não ultrapassando a “barreira” dos 50% que persiste há algum tempo.

No sábado (1º) esse índice atingiu 40,3% e no domingo (2) a taxa de recolhimento no Estado ficou em 47,3%. Levantamento da Superintendência de Gestão da Informação (SGI) aponta que a maior taxa já registrada no estado foi de 58,5% no dia 19 de abril.